quarta-feira, 3 de março de 2010

Corvo

# 14 Basta que na moldura de uma janela um homem hesite e toda a força consoladora das horas se esvai em pântanos isolados de uma eternidade sem fim.

Sem comentários: