terça-feira, 29 de abril de 2008

poemas dispersos

o anjo do apocalipse cujo os pés repousam no mar trouxe-me num vaso de pérolas uma flor das águas: o amor do grande armageddon ia enfim começar e eu salvo pelas redes do espanto fui escolhido para sangrar o cálice da nova terra