sexta-feira, 20 de março de 2009

Contos.9

E o tempo sempre a passar sempre a horas-sestas , os carros , as bandeiras – os cravos , as cidreiras tudo olhando o homem estacado na cadeira , ele já é a própria madeira . ao longe (vê-se pela janela) correm gatos e fardas e crânios decorados O homem chora e chora sentado No céu formam-se letras, uma a uma contam-se celestes canetas