domingo, 22 de março de 2009

Contos.10

Enquanto os espíritos o ouviam , sócrates desenhava um redondo-redondo-redondo círculo ,a vermelho na parede Platão era a sua mão e o giz :mel e raiz enquanto as palavras o contradiziam Os espíritos ouviam-ouviam-ouviam Sócrates morreu pouco depois deitado num chão baixo Sobre o corpo, platão tomou o seu rosto e alto , recto deu-lhe a mão num imenso-imenso-imenso desgosto

sexta-feira, 20 de março de 2009

Contos.9

E o tempo sempre a passar sempre a horas-sestas , os carros , as bandeiras – os cravos , as cidreiras tudo olhando o homem estacado na cadeira , ele já é a própria madeira . ao longe (vê-se pela janela) correm gatos e fardas e crânios decorados O homem chora e chora sentado No céu formam-se letras, uma a uma contam-se celestes canetas

terça-feira, 3 de março de 2009

«Uma Poeira Azul Espalha-se»

Com este livro de Frederico Mira George com um desenho de João Lemos, «Uma Poeira Azul Espalha-se», nasce uma nova chancela editorial. A chancela «Fora de Mercado - Editores» publicará exclusivamente poemas para que circulem gratuitamente de mão em mão. Impressos em papel de jornal, com formato de bolso, cada exemplar deve ser lido e passado a outro. Não estarão em livrarias, em supermercados... nada. Podem encontrá-los em cafés, teatros, no bolso de um amigo... enfim, em todo o lado menos nos habituais templos do mercado livreiro.