quarta-feira, 17 de setembro de 2008

poemas dispersos

resta-nos abrir a porta festejar os obreiros do céu sentir o corpo a de- com- pôr-se como um vento árabe e olhar a derrocada dos dias como se os dias pudessem ser olhados e os olhos capazes de olhar