sábado, 21 de agosto de 2010

Satã

















#14



Como génios invocados por aqueles
que invocam almas, invoco as manhãs
e assim eles se sentam à minha esquerda
, absorvem o meu dia, planeiam o tempo que me resta.
As manhãs, como as almas invocadas, são
frias e entorpecidas, e falam aos olhos
numa espécie de esperanto do cosmo
, das luas muitíssimas, dos anjos adormecidos.
Como manhãs invocadas, invoco alentos
e deixo-os sentar à minha direita, levando-me.

Frederico Mira George