domingo, 28 de outubro de 2007

gotas caem, dispersam-se sozinhas - XII a XVII

XII não é um gato. não é um peixe. mas arde.......quando .....olha: XIII kohan_ como o olho do velho santo e sábio mestre vejo-me para o passado como , a «pincelada única» de shitao que nunca .....serei: XIV um tritão negro, rebuçados de mentol (… o cigarro cai-me da boca enquanto ..................o pincel marca a folha branca…), um círculo vermelho é desenhado com compasso_no centro uma mosca de magníficos .....olhos roxos, cai: XV coitado do canário – com tanta fome prendeu a cabeça entre as grades da gaiola estando a alpista mesmo ali em frente do outro lado da prisão numa alpisteira d’ouro «destino cruel o dos canários humanos!» poderia ter dito gil vicente: XVI porque me olhas ..........................¿faca sabes que não me podes matar. eu sei que não te poderei matar,,, .....¿porque simulas enfrentar-me: XVII resignada salamandra venenosa. bebeu a água que lhe foi dada e não a q eu preci sava. bebeu e depois chorou .....desejou com ardência ser mulher… _____… inverter o jogo: