quinta-feira, 24 de abril de 2008

poemas dispersos

como um choro lento vi as flores na jarra brilhantes e vermelhas – brancas de tão profundo escarlate e sentei-me imóvel com um medo adulto de quebrar aquela lâmina espelhada de alguma felicidade

Sem comentários: