sábado, 30 de outubro de 2010

Satã



















#29

Se a solidão não existisse os dias de chuva não teriam sentido.
Nem o avançar das hastes do relógio, naquele batimento
sincopado e indomável. Se a solidão não existisse,
os relógios,
não teriam razão e as horas não teriam lugar no mundo.
Mas a solidão existe e porque existe existem as lágrimas
e o pensamento saudoso dos dias quentes de céu limpo em
que tudo parece eterno e cheio de confiança.
Benditas as horas de solidão que nos dão relógios e trovoadas
e nos fazem chorar no silêncio aprendiz dos dias.
Benditas as chuvas e os pensamentos finais. Sem eles,
que faríamos às palavras doces que guardamos no cofre da alvura?

Frederico Mira George

1 comentário:

Anónimo disse...

Obrigado pela partilha da Beleza Linda que são os seus poemas. Peço desculpa pelo atrevimento do seguinte comentário: imagine a solidão de quem não alberga a capacidade que tem de escrever poemas, como os seus. Outra coisa: o Amor não tem de ser necessáriamente ... É (no sentido essencial) antes FELICIDADE. Abraço amigo,
catarina amendoeira