segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Corvo

#2 O monge-cego veste-se. [enquanto] Peixes voadores bebem na fonte do claustro, o monge procura dentro de si : alfinetes ; botões ; asas-de-anjo para o colarinho. Já na igreja – o templo efémero – 1 sinfonia de luzes espera-O. Ele, cego, entrega-se ao concerto das velas.

Sem comentários: