sexta-feira, 5 de junho de 2009

Contos.16

pela sua palavra , seu riso – preso no verde tão claro do poço Em voz baixa avançou mais um pouco Tão longo e estreito nado Respirou e teve tempo: «Amo o teu a- braço»

Sem comentários: