domingo, 27 de abril de 2008

poemas dispersos

vento calmo calmo cal mo brisa que mesmo não sendo brisa se sente brisa como em dias de muito inverno uma chuva perfumada nos enche o fato e os olhos de lágrimas disfarçadas