sexta-feira, 25 de abril de 2008

poemas dispersos

25 de abril de 2008 para o pintor era uma questão de amarelo e de um peixe grande e aterrador com uns olhos muito verdes e barbatana s azul cobalto – o pintor insistia no amarelo para o corpo o mar em que o peixe remava – o pintor morreu e o amarelo não chegou a despertar ainda assim o peixe nadou para um longínquo cravo

Sem comentários: